História

Diz um mito popular diz que o nome Olinda teria a sua origem numa exclamação do português Duarte Coelho, o primeiro donatário da Capitania de Pernambuco: “Oh, linda situação para se construir uma vila!”. Mas não se sabe de fato, do porquê do nome.

Olinda é uma das mais antigas cidades brasileiras, tendo sido fundada (ainda como um povoado) em 1535 por Duarte Coelho. Elevada a vila em 12 de março de 1537. Olinda foi a primaira capital de Pernambuco. Foi sitiada e incendiada pelos holandeses, que instalou a sua sede no Recife, então um porto de Olinda.

Após a expulsão dos holandeses, em 1654, quando os portugueses retomaram o poder e volta a ser capital de Pernambuco. Sendo em 1676 elevada à categoria de cidade, e em 1837 perde de vez o título de capital para o Recife.

Monumentos

Aproximadamente um terço da área total de Olinda é tombada pelo patrimônio histórico. A preservação de seu sítio histórico começou na década de 1930, quando os principais monumentos foram tombados. A partir daí foram realizadas várias ações no sentido de preservar todo o patrimônio histórico, cultural e arquitetônico da cidade. O sítio foi declarado, em 1980, Monumento Nacional, pelo Congresso Nacional, e, em 1982, reconhecido como patrimônio mundial pela UNESCO.

 

A Catedral da Sé

 

Construída a partir de 1537, ainda como capela, dedicada a Jesus Cristo, o Salvador do Mundo, padroeiro da Cidade de Olinda, foi retratada por Franz Post, artista plástico que acompanhou o Conde Maurício de Nassau em sua comitiva de artistas e cientistas a Capitania de Pernambuco.

 

A Igreja da Sé, possui em sua nave central o túmulo do ex-arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara, personalidade conhecida em todo o mundo católico, indicado 04 vezes ao Prêmio Nobel da Paz.

 

De se mirante podemos ver uma dasmais belos cartões postais de Olinda e Recife, banhadas e unidas pelos rios Capibaribe e Beberibe e o Oceano Atlântico.

 

Mosteiro de São Bento

 

O Mosteiro foi iniciado em 1597 e lá foi instalado o primeiro curso de direito do Brasil.

 

No espaço interno do mosteiro podem ser apreciadas peças de alto valor artístico, como sanefas de talha dourada, gradis de jacarandá, pinturas com episódios da vida de São Bento e retratos de velhos abades e mestres da Ordem Beneditina no país, além de um rico mobiliário. No claustro estão sepultados vários monges da abadia.

 

Igreja de São Bento

 

Sua construção do Século XVII, em estilo barroco, guarda em seu interior o altar-mor em madeira de cedro e inteiramente folheado a ouro, construído entre 1783 e 1786, sendo um dos exemplares mais belos e significativos de talha dourada no Brasil.

 

Restaurado em 2001, foi objeto de polêmica ao ser desmontado para ser exposto em Nova York, em 2002, como a atração principal da exposição Brasil de Corpo e Alma, realizada no Museu Guggenheim, retornando posteriormente ao seu local de origem. Sempre aos domingos é realizada missa em canto gregoriano que atrai muitos moradores e turistas.

 

Convento de São Francisco

 

O Convento de São Francisco é parte de um conjunto arquitetônico barroco de grande importância, incluindo a Igreja de Nossa Senhora das Neves, a Capela de São Roque, o claustro, a Capela do Capítulo e a sacristia. É encontrado em seu claustro, em suas capelas, Igreja e corredores um grande acervo de azulejaria do século XVIII. Os altares em talhas de madeira folheadas a ouro é exuberante.

 

Casario Histórico

 

O Casario de Olinda vai desde exemplares do Século XVI até o Século XX, com suas cores vibrantes. Recebeu influência da arquitetura portuguesa, como construções com sacada em pedra ou madeira, fachadas contíguas com grandes quintais, de árvores frutíferas frondosas, dando um realce de clima tropical.

 

Igreja do Carmo (Santo Antônio do Carmo)

 

Mais conhecida como Igreja do Carmo, a Igreja de Santo Antônio do Carmo fica numa suave colina, logo na entrada, abençoando aos que chegam. É a mais antiga Igreja da Ordem Carmelita em terras do Brasil, datando de 1580 e restaurada em 1720.

 

Mercado da Ribeira

 

O Mercado da Ribeira data do século 16, e durante muito tempo foi um local de vendas de escravos – o mais antigo do Brasil a resistir ao tempo. Hoje o local abriga lojas de artesanato. O Mercado fica no alto de um dos morros de Olinda, de onde se tem uma vista da Igreja da Sé e dos quintais arborizados da Cidade de Olinda.

 

Entre os suvenirs que podem ser encontrados por lá, estão peças de barro, artigos de renda, couro e palha. Do outro lado da rua estão as ruínas do antigo Senado de Olinda, de onde, em novembro de 1710, Bernardo Vieira de Melo deu o primeiro grito pela independência do Brasil.

 

Além do artesanato, de tempos em tempos o Mercado da Ribeira recebe eventos de música e cultura popular, sempre gratuitos. Durante o Carnaval, é um dos redutos mais frequentados.

 

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

 

Construída no Século XVII pela Irmandade do Rosário dos Homens Pretos, pertencente aos negros escravos, é a única, em Olinda, que possui galilé.